AS MISTERIOSAS BORBOLETAS MONARCA –

As misteriosas Borboletas  Monarca

 –     Nas extensas regiões a leste e oeste das Montanhas Rochosas, bem ao norte da América, no final do Verão e início do Outono, uma nova geração de borboletas monarca começa a eclodir das suas crisálidas. As alterações climáticas próprias do começo do Outono, produzindo um ar mais fresco e encurtando os dias, desencadeia o fenómeno da eclusão.

A ordem genética contida nos  pequenos corpos alados dos insectos determina-lhes que não  acasalem antes do início da Primavera. Elas precisam de voar rumo ao sul para poder fugir aos rigores do Inverno, que as mataria se permanecessem naquele lugar. A gordura que armazenam nos seus abdómenes, será o combustível que lhes fornecerá a energia para a grande viagem que têm de empreender. Elas irão voar durante dias, percorrendo cerca de cinco mil quilómetros, até atingirem a costa da Califórnia e o México. Os locais que as borboletas escolherem para passar o Inverno terá de garantir a sua sobrevivência durante a estação mais fria do ano. Elas necessitam de temperaturas mais amenas do que as do grande Norte, árvores para se poderem abrigar e água para beber. Estas condições permitem-lhes conservar parte da gordura armazenada no abdómen, devido à redução do seu metabolismo.

 Irão manter-se em repouso até ao início da Primavera e até ao  aumento da temperatura. Quando ela chegar, então sim, começarão a acasalar preparando-se para a grande viagem de regresso aos locais onde nasceram. Quando acabarem a sua nova  viagem, começarão imediatamente a pôr ovos sobre as folhas verdes das plantas, que nessa altura, já estarão preparadas para os receber e alimentar as pequenas lagartas vorazes que deles hão-de eclodir. Uma vez cumprido o seu processo reprodutivo pouco tempo mais terão de vida. O ciclo irá reiniciar-se a cada ano para que, dessa forma, fique perfeitamente assegurado que as belas borboletas monarca nunca deixem de voar sobre os céus de toda a América e do México.

 A S Lopes

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Contos diversos, Contos do Autor, Fauna Africana, Fábulas que perduram, Natureza com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s