ATRAVESSANDO A PONTE SOBRE O PRECIPÍCIO

Atravessando a ponte sobre o precipício

Portugal está sem dúvida a atravessar um dos períodos mais graves  e delicados da sua história, após o 25 de Abril. Eu diria mesmo que estamos a atravessar uma perigosa ponte sobre um precipício que parece querer devorar-nos.

Quando o 25 de Abril pôs fim à ditadura do Estado Novo, os portugueses respiraram de alívio. Tinha terminado um Governo fascista que os oprimia e os forçava a viver uma vida sem dignidade. Todos os portugueses pensaram unanimemente que, a partir daí, tudo seria diferente e cantavam a plenos pulmões, embriagados de alegria, o bem conhecido hino do “Grândola Terra Morena”,  totalmente convencidos que tinham vencido e ultrapassado os cinquenta anos de opressão fascista desumana. Acabara de morrer o corporativismo e com ele a ditadura brutal. Em seu lugar acabava de se instalar um novo governo que viria devolver a dignidade perdida aos portugueses e permitir assim a construção de um moderno estado europeu. A filosofia doutrinária do corporativismo, que permitira a instalação de uma cruel ditadura fascista estava finalmente desacreditada e morrera, no dia em que a poderosa Alemanha sucumbira depois de ter destruído quase toda a Europa. Mas o nosso país estava cheio de odiosos políticos que dele se serviam para viverem de forma opulenta e escandalosa, impondo ao povo português uma servidão desumana que quase lhe negava o direito de viver. A ditadura dispunha das pessoas como de animais se tratasse. A impunidade política era já um escandaloso e garantido direito. Os governantes eram senhores absolutos de tudo e de todos e podiam destruir as vidas de quem quisessem sem ter de responder por isso. Com o 25 de Abril rompeu uma nova aurora e tudo indicava que terminara o grande pesadelo nacional, permitindo a construção de uma nova sociedade alicerçada na justiça, na moral e no direito. Infelizmente porém os países são formados por homens, por lideres, que  têm de ser competentes e honestos e que acima de tudo devem possuir um elevado grau de patriotismo. O valor verdadeiro de qualquer partido político assenta essencialmente nos homens que o constituem, nas suas virtudes e no seu carácter. Uma revolução é apenas o ponto de partida para mudar um rumo errado, mas não é uma garantia para que a mudança se faça. Se os políticos que constituem os governos não forem, competentes, honestos e íntegros, e se forem facilmente corruptíveis nada de importante mudará e volta tudo a construir-se da mesma forma para privilegiar apenas a classe governante e um determinado conjunto de interesses. Foi justamente isso que aconteceu em Portugal. Debaixo da falaciosa classificação de democracia surgiu uma forma de governo, aparentando legitimidade democrática, sem de facto a possuir, dando origem à tenebrosa partidocracia cujo único objectivo é beneficiar a classe política, enchendo-a de bem estar. É aqui que surge então a política como profissão bem remunerada, como uma espécie de emprego garantido e privilegiado. E assim se encheram os lugares da Assembleia Nacional com os “Yes man”, todos alienados a quem os nomeou.  Assim se formam parlamentos onde, depois das eleições, se negoceiam maiorias  absolutas para se conseguir governar à vontade contrariando os interesses da nação e do povo. É isto infelizmente que temos em cima da mesa neste momento de eleições, políticos que nos governaram e governam com despotismo e que nos têm feito sofrer bastante, e que, descaradamente, se candidatam uma vez mais a ser governo, sem nos garantirem nada mais que austeridade e falsas promessas. Votar em gente desta é um verdadeiro suicídio e dar-lhe uma maioria absoluta é muito mais do que isso. É perfeita inconsciência e pura estupidez.  

O pica pau angolano      

Esta entrada foi publicada em POLÍTICA com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s