CONSEQUÊNCIAS PREOCUPANTES DO GOLPE DE ESTADO PARA A TURQUIA

Convulsão política está a gerar fuga de capitais e de turistas num país que já pediu ajuda ao FMI no início do século

Quem olhar para a azáfama diária no Grande Bazar de Istambul, o maior mercado tradicional do mundo, com mais de 60 ruas interiores e cinco mil lojas, dificilmente achará que a economia turca está com dificuldades. Um dos espaços mais icónicos da cidade turca recebe diariamente entre 250 mil e 400 mil pessoas que ali vão comprar joias, cerâmica, tapetes ou especiarias, numa vertigem de consumo que os mais distraídos poderiam confundir com vitalidade económica. Mas essa correria é ilusória. O golpe de Estado falhado e a resposta do regime de Erdogan trazem nuvens negras a um país que nos últimos anos cresceu graças a investidores e turistas estrangeiros, que agora estão a fugir.

Na fronteira entre o Ocidente e o Oriente, a Turquia sofreu uma grave crise no início do século. Perante desequilíbrios das contas externas, pediu assistência financeira ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2001, ano em que o PIB caiu 5,3%. A receita prescrita por Washington não foi muito diferente da aplicada noutros países: a maior liberalização das atividades económicas do país estava no programa do FMI.

Crescimento económico Erdogan, no poder desde 2003, conduziu as mudanças preconizadas para o país. Levantou múltiplas regulações económicas, atraiu capitais estrangeiros, e a economia viveu um período de forte desenvolvimento, com uma taxa média anual de crescimento superior a 6%, entre 2002 e 2007. Quando chegou a grande crise financeira internacional, o país também sofreu, mas recuperou nos anos mais recentes. No ano passado, apesar de alguma incerteza trazida por atentados, a Turquia cresceu 3,8%.

Dependência do exterior O problema é que as reformas desenhadas pelo FMI e implementadas por Erdogan não conseguiram corrigir os problemas de fundo do país. Com fraca produtividade e pouca participação das mulheres no mercado de trabalho, há ainda um longo caminho a percorrer. “O crescimento é baseado no consumo e está dependente de poupanças externas, tornando a economia vulnerável a choques externos”, resume o FMI, no último relatório que fez sobre a Turquia.

Embora tenha uma agricultura pujante e setores altamente exportadores como o automóvel ou os têxteis, o país depende de capitais estrangeiros para investir e de turistas para crescer. Quando muitos já estavam de pé atrás com os sucessivos ataques terroristas desde o ano passado – o último foi em junho e matou dezenas de pessoas no aeroporto de Ataturk –, a convulsão em que o país entrou na última semana foi a gota de água.

“Neste momento, o capítulo do turismo na Turquia está a acabar”, resume Zekiye Yucel, diretor de uma empresa de percursos turísticos na Turquia, ao “Telegraph”. “Temos visto algumas coisas muito feias desde a tentativa de golpe e isso criou muita raiva no país. É mais prejudicial para o turismo do que os ataques terroristas”, continua.

Quebras nas empresas Mesmo antes do golpe, havia hotéis e agências de viagens com quedas entre 40% e 60% no número de reservas para o país, devido ao receio de incidentes com terroristas. “Assim que ocorreu o ataque no aeroporto, fomos bombardeados com telefonemas de clientes a dizerem que já não queriam ir nos cruzeiros”, revelou ao “New York Times” o diretor de uma empresa norte-americana de cruzeiros que trabalha com a Turquia.
E teme-se agora que à falta de turistas se some a falta do dinheiro estrangeiro que tem possibilitado ao país crescer nas últimas décadas. As principais agências de rating já estão a pôr o país sob pressão. A Standard & Poors desceu esta quarta-feira o rating do país e o risco de isolamento financeiro foi um dos riscos apontados, após a tentativa frustrada de golpe de Estado. “Espera-se um período de maior incerteza que pode travar a entrada de capitais”, justificou a agência, que teme ainda o enfraquecimento dos contrapoderes institucionais que controlam o peso de Erdogan.

 

 

Esta entrada foi publicada em POLÍTICA MUNDIAL com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s