A LENDA DO ZÉ DO TELHADO

A Lenda do Zé do Telhado

Talvez poucas pessoas saibam quem foi realmente Zé do Telhado. Apresentado como lenda, como alguns o chegaram a conhecer, ele foi, na verdade, uma personagem bem real.

Nasceu em 1816 (faz já bastante tempo) num lugar chamado Telhado, Freguesia de Castelões de Recesinhos, pertencente ao Concelho de Penafiel.

Durante o serviço militar ao serviço dos Lanceiros da Rainha, destacou-se pelo seu bom comportamento militar e por ser um militar destemido. Quando em 1837 acabou a Guerra Civil contraiu matrimónio com uma prima de nome Ana dos Campos de quem teve cinco filhos. Em 1837 tomou parte do partido Setembrista a favor da restauração da Carta Constitucional. Com a derrota do partido refugiou-se em Espanha. Ao regressar envolveu-se no movimento revolucionário da Maria da Fonte servindo o General Sá da Bandeira. Já como sargento praticou actos de grande bravura que lhe conferiram o grau de cavaleiro da Ordem militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito a mais alta condecoração que ainda hoje vigora em Portugal. Mas por acumulação de dívidas e impostos que não conseguiu pagar foi expulso do exército.

Começou então aí a sua vida de assaltante e bandoleiro. Consta que assaltava as casas senhoriais dos ricos e que repartia depois o espólio dos seus assaltos com os pobres. Foi uma espécie de Robin dos Bosques português.

Acabou por ser preso em Março de 1859 quando tentava fugir para o Brasil. Foi então julgado e condenado a degredo perpétuo em Angola. Viveu em Malange como negociante de marfim, cera e borracha. Casou-se então com uma angolana de quem teve três filhos. Viveu desafogadamente em Angola. Foi vitimado por um ataque de varíola e foi sepultado a uns 50 km de Malange na aldeia de Xissa. O seu mausoléu é ainda hoje objecto de romagens.

Hoje, infelizmente, passa-se tudo ao contrário. Depois do glorioso 25 de Abril, os governos roubam os pobres para  dar aos ricos e tudo sem as mínimas consequências.

Como mudaram os tempos!

O pica pau angolano.

 

 

,

 

 

Esta entrada foi publicada em Coisas de Angola com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s