CACIMBUÉ – ( Meu kama)

CACIMBUÉ

Depois de muitos anos de uma  persistência temperada de sonhos e de amor pela sua terra amada,  Nelson  Freitas,  lançou  por  fim,  ao  público,  o   seu primeiro  livro  de  poesia.  “Praia das Miragens”.   O  evento  teve  lugar na Biblioteca do Vale da Amoreira na noite de 21.09.2017. Acredito que foi uma noite muito  especial  para  o  Nelson,  que,  com  uma  paciência incansável, acumulou muitos poemas seus para os juntar na  pequena  colectânea  a que acertadamente deu o nome de “Praia das Miragens”. 

Conheço o Nelson há vários anos e devoto-lhe uma grande e sincera  amizade. Conheci-o faz anos na biblioteca municipal do Vale da Amoreira, onde muitas vezes estivemos juntos a trocar impressões. O Nelson é romântico e sonhador e respira poesia por todos os poros. Sempre que com ele me encontrava tinha vários  poemas  novos  para  me  mostrar e  fazia-o  com   grande  entusiasmo, querendo saber sempre a minha opinião. Ele é de facto um poeta nato e a sua poesia sempre carregada de sentimento e  de bondade,  foca aspectos naturais da vida  que  muitas  vezes  nos  escapam  ou   a  que   não  atribuímos   grande atenção e interesse. Eu gosto da sua poesia simples, centrada sobre a sua vida e sobre o seu constante encantamento com a natureza,  com  o  mundo  que  o envolveu desde criança e que formou  o  seu  reconhecido  e  puro  talento  de poeta. Ao ler a suja poesia, todos aqueles que nasceram e viveram em Angola, podem   compreender  o  seu  grande  encantamento   e  participar  das  suas emoções e pensamentos. O meu maior desejo é que ele possa continuar a ser sempre o poeta repentista e sentimental que existe dentro do seu coração e da sua alma.  Tenho  um  grande prazer  em  ser  e   continuar a  ser  seu kamba.

 

O Pica Pau Angolano.

 

Selecionei da sua obra alguns poemas que tenho prazer em publicar no meu blog……

Eles aqui estão:

                                    MUXITO

                       Muito longe

                     no Muxito

                     deixei meu coração aflito

                     minha saudade

                     de um filho ausente

                     tantos anos já passaram

                     só a lembrança ficou

                     nunca mais para ti voltei

                     só eu sei

                     para sempre eu fiquei

                     com o coração ressachado

                     meu pedaço

                     meu torrão

                     banhado pelo Atlântico

                     minha terra adorada

                     minha imensidão

                     longe nas anharas,

                     da terra de ninguém

A FOME DO POVO      

 

       

                  O pobre povo gemeu

                              de fome

                              todos ouviram

                              mas ninguém se importou

                              o pobre povo caiu

                              nas agruras do inferno

                              todos souberam

                              mas ninguém chorou

                              para denunciar

                              o poeta fabricou

                              o seu melhor poema

                              sobre o tema

                              a fome do povo

                              e até o poemas

                              chorou com pena

                              do povo

                              o pobre povo gemeu

                              de fome

                                                                                          

                                 

                                                                                  

                                                                    

                                                                      

                                                                             

                                                                           MENINOS COM ARMAS

 

                                                                                   Eles são frágeis

                                                                                   como caniços

                                                                                   não têm infância

                                                                                   como brinquedos

                                                                                   de armas nas mãos

                                                                                   para exterminar

                                                                                   irmãos

                                                                                   eles são

                                                                                   almas

                                                                                   imberbes

                                                                                   embrenhadas

                                                                                   na escuridão

 

 

 

3 Poemas de Cacimbué. –  Espero que os apreciem e que entendam bem o seu sentido   no contexto  actual    da  realidade  angolana.     Eles    encaixam-se perfeitamente nela.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s